terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

palavras

arde, dói, culpa, coragem, desejo, vibra, música, faz sorrir, entristece, acovarda, enfraquece, fortalece, contradiz.

antes de dormir, quando acordo, na estrada, a lua, o céu estrelado, o pôr do sol, o vento batendo no rosto, no carro voltando pra casa, uma paisagem bonita, o restaurante japonês que descobri semana passada, um filme, as barras, as conquistas, a miniatura do super-herói preferido, o quadro da banda favorita na vitrine do shopping.

presença, cheiro, gosto, voz, calor, gesto, olhar, sorriso, traumas, complexos, manias, viagens, casa, família, cachorro, histórias, saudade.

vai sempre terminar em saudade.


"when I was younger I saw my daddy cry and curse at the wind
he broke his own heart and I watched as he tried to reassemble it
and my momma swore that she would never let herself forget
and that was the day that I promised I'd never sing of love if it does not exist"

sábado, 11 de dezembro de 2010

Chão de Vento

"Deveria haver algum decreto
Que obrigasse o tempo a desacelerar
E a respeitar meu projeto.
Só assim, eu daria conta
Dos livros que vão se empilhando,
Das melodias que estão me aguardando,
Das saudades que venho sentindo,
Das verdades que ando mentindo,
Das promessas que venho esquecendo,
Dos impulsos que sigo contendo,
Dos prazeres que chegam partindo,
Dos receios que partem voltando."

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Friday night

Sexta-feira, em casa... com um litro de água do lado do computador, celular e um maço de cigarros. Me nego a sair de casa para ir pro agito, balada, boate...

Baladas...

Tenho uma visão que "seria trágica se não fosse cômica" à respeito disso. CANSEI! Já aproveitei demais essa fase de vida vazia, de gente que não liga pro que eu penso, o que eu tenho a dizer... cansei dos caras que acham que PIB deve ser uma variação VIP, e que andam desfilando com seus copos de uísque com energético na mão, com aquelas correntes de prata no pescoço, homens da "produção", fabricados em série... cujo o filme preferido deve ser "O Exterminador o Futuro 3" (p/ mim, filme bom, no máximo conseguem fazer até o 2, e é bem raro o segundo dar certo).

Tô cansada dos marmanjos nas baladas, com aquelas abordagens "super originais", quer saber, eu também cansei das baladas, e percebi que se existe alguma pessoa interessante no universo, a probabilidade de ela estar ali é quase nula, fico pensando "por que eu saí de casa?", "meu quarto, meu colchão, meu dvd...", e que as pessoas interessante devem estar em casa vendo dvd e comendo pipoca, achando o mundo tão medíocre quanto eu!

Descobri que estou realmente ficando velha, tenho vontade de comprar um "silvertape" e andar com ele na bolsa, o cara falou... eu passo o "silvertape" na boca dele, e fico satisfeita em contemplar apenas aquele rostinho (que a essas alturas, já deve ter ficado desfigurado pra mim pelo teor das coisas ditas, nem o "silvertape" ajudaria!).

Sexo casual então, iiiiih... ando bem careta. Sexo bom, é sexo com intimidade, com carinho, é uma coisa contínua, gradativa. Beijo na boca, só se a boca demonstrar que tem cerébro, e meu Deus, cadê o cerébro das pessoas?

Eu prefiro passar horas na locadora, voltar com 3 filmes pra casa, armar uma comilança bem boa, cheia de porcariadas, ficar me deleitando com os filminhos e pensando que fiz a escolha certa.
Churrasco com os amigos, cerveja com os amigos no bar, jantarzinho, cinema ou passar a noite jogando war, baralho, video-game ou apenas conversando. Tenho uma amiga, a Ju, que me liga e diz "Mau, vem aqui fumar um cigarrinho comigo", o cigarrinho e o papo, estendemos as esteiras no quintal, ficamos deitadas olhando o céu, fumando um cigarrinho, jogando conversa fora... e isso basta, sabe? É, acho que me contento com coisas simples, com companhia, companhia boa.

Não estou desesperada por um novo amor, muito pelo contrário, estou me resolvendo, brigando feio comigo mesma. Já tive várias fases de ficar sozinha, entre namoros (e foram anos), de gostar de ser só. Gosto de ser só, de sentir que posso ser eu mesma, que isso não vai zangar nem ofender quem estiver ao lado. Penso em ser só, em morrer solteirona e um pouco amargurada... Mas no fundinho, bem lá no fundinho, é tudo de mentirinha!

Tentei esquecer, tentei maldizer, tentei apagar, fugir, me esconder, trapacear. Mas não deu. Tô aqui de novo, com aquele mesmo velho papinho. Eu sou assim sabe? Gosto de falar o que penso e sinto. Não dá pra abafar os nossos sonhos, impossível encaixar um quadrado dentro de um círculo, e esse círculo foi vicioso durante muito tempo.

Não sei, não sei e não sei. Nem quero saber. Hoje eu queria 'aquele' abraço de quebrar os ossinhos, com temperatura, cor, cheiro e rosto. Como eu queria! Só um abracinho mesmo. Mas nem tudo é como queremos. O jogo virou completamente, essa tal de vida é bem engraçada!

O importante é que a inspiração voltou, a leveza, a música, as noites de céu estrelado, a chuva de palavras caindo, e, com isso, os textos... que nem precisam ser bons, mas é um alívio, é como respirar, não tenho que me preocupar ou pisar em ovos, escrever e não poder publicar, eu posso simplesmente correr os dedos pelo teclado e apertar o enter, sem receio.

Ando falando muito de mim, eu sei, ando chata e repetitiva, buscando muitas coisas. Entendam, por enquanto eu só preciso que vocês me escutem (leiam). Juro que sou uma boa ouvinte também.

E precisando, estou às ordens!


"I need to feel my arms around you."
(Cat Power - How can I tell you)

domingo, 5 de dezembro de 2010

O Sol nascerá

Se fosse contar o que aconteceu na minha vida nos últimos meses, esse post seria gigantesco. Mas algumas coisas que dizem respeito a mim, se não edificam, prefiro que não sejam ditas, nem mesmo escritas. O pior já passou, estou me recompondo! Meu mantra tem sido "um dia de cada vez".

Tive um sonho tão bonito essa noite, acordei e tentei dormir um pouco mais, mas não consegui.
Estou ouvindo os trovões, vai chover. Abri todas as portas e janelas de casa, resolvi deixar todas as coisas ruins irem embora, para que finalmente, as coisas boas cheguem, e que sejam muito bem vindas!

Sofrer pelo que quer que seja não é ruim, o sofrimento te faz dar o real valor que as coisas devem ter, abre os olhos, amansa o coração. Cresce em mim uma vontade enorme de ser nova, em tudo, de não cometer os mesmos erros. Não troco tudo o que vivi por nada nesse mundo, a cada dia que passa, ser quem eu sou dói mais, mas me dignifica. Eu amo incondicionalmente, sou ferida, sofro, peço perdão, perdôo, tenho uma consideração inexplicável pelas pessoas, mesmo que elas não mereçam. Não me sinto humilhada em perdoar, em estender a mão a quem realmente NÃO MERECE, me sinto melhor, pois sei entender os porquês de cada um... e isso me eleva um nível. Éh, acho que passei de fase... derrotei o chefão com a última vida, e ganhei de bônus uma vida novinha em folha!

O que vai acontecer na próxima fase não sei, só sei que na dúvida, deixei abertas todas as portas e janelas, consciente de que não importa o que aconteça, não importa o que Deus, o destino ou o futuro tenha reservado para minha vida, eu mereço o melhor!

Passei o final de semana em casa, e embora tenha tido um acidente gravíssimo aqui em casa, o que me fez passar horas a fio no hospital com meus familiares, depois do susto, está tudo bem. Estou numa fase completamente introspectiva, contabilizando tudo, colocando pingos nos ís, cheguei a muitas conclusões, uma delas é que alguma coisa dentro de mim já não é mais a mesma, definitivamente não é! Algo dentro de mim mudou, e é permante...

Vou abençoar minha família, meus amigos, meu trabalho, e, sobretudo, abençoar 'aquele' amor imaculado... aquele que "talvez" eu não alcance mais.

Dorzinha no peito, sorriso nos lábios, coração quase em paz... esperança!

Viver, deixar a vida correr, na certeza de que não preciso nem quero apressar o mundo. As coisas acontecem simplesmente quando você está preparado para elas.

Tá doendo prá caralho, um colinho faria muito bem, mas sei que colinho embaça a visão, e eu quero ver, rever, triver... até tudo ficar bem claro!


Cartola - O Sol nascerá
(pq hoje eu tô samba canção)

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

escrita

"Queria tanto que alguém me amasse por alguma coisa que escrevi..."

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Inspiração

Já procurei em todos os cantos, debaixo da cama, atrás do sofá... no fundo das gavetas, entre as roupas, e nada! A inspiração para escrever coisas bonitas, bacanas... sumiu, desapareceu! Será que ela nunca mais vai voltar? O que isso significa?
Bom, o que significa não interessa, mania boba de ficar procurando significado em tudo. Se é assim é, e ponto.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Um breve olá!

- Oi, você por aqui? Não fui na faculdade. Acho que estou gripando, jogando Mario Forever loucamente. Bom mesmo nesse friozinho é ficar em casa fazendo nada, fazendo nada junto, jogando video game. Balada? Nem muerta! Acho que tô ficando velha...
- ...
- Peguei UP na locadora, você já viu?
- ...
- Depois conto se é bom.
- ...
- Tô bem, obrigada! Cada dia mais consciente, amando ser quem sou, apesar das dores e delícias de ser quem se é (ficou confuso isso?).
- ...
- A faculdade? Cada dia mais interessante, descobri que adoro econômia, quem sabe fazer outra faculdade... Será que eu tô muito velha pra fazer outra faculdade?
- ...
- É verdade, nunca é tarde pra fazer qualquer coisa que você queira fazer na vida. A não ser ginástica olimpíca e salvo algumas exceções.
- ...
- Tô brincando, eu entendi! É que a crise dos trinta ta me pegando, tô tentando me alimentar bem, emagrecer uns quilinhos, sabe como é né? Dizem que depois dos trinta fica mais difícil emagrecer, e depois, eu sempre gostei de comer coisas saudáveis, granola, queijo branco, mel, iogurte, frutas, verduras e tudo quanto é tipo de salada... tô comendo de 3 em 3 horas e super orgulhosa da minha alimentação. Mas calma! Ainda faltam 2 anos pra chegar aos 30.
- ...
- Ah! Obrigada, você é muito gentil!
- ...
- E de resto? Nada demais... Me fala um pouco sobre você...
- ...
- É, eu entendo! Tudo bem, outra hora a gente se fala. Tá friozinho, vou lá ver o meu filminho. Fica com Deus! Vê se lembra de mim nas suas preces.
- ...
-Pode deixar que não esqueço de você nas minhas.